Política e a Copa de 2018

x77532390_FILE-PHOTO-Switzerland27s-Xherdan-Shaqiri-celebrates-scoring-their-second-goal-against.jpg.pagespeed.ic.dVEGgmms4F

Hoje recomendamos três matérias sobre a Copa. Seguem abaixo com link e resumo.

 

A Croácia é fascista? Entenda essa e outras polêmicas da Copa

Matéria da Superinteressante com análise das principais questões políticas levantadas pela Copa e que, se você for daqueles que quer torcer em um jogo pelo “país-mocinho”, vai ficar difícil escolher um.

Obs.: A Superinteressante tem limite de conteúdos pagos por mês.

 

Europa nega abrigo, mas comemora gols dos filhos de imigrantes

Se esse foi um dos temas políticos mais discutidos da Copa, a Carta Capital traz uma matéria exclusiva sobre o tema.

 

Copa é gincana. Não é campeonato.

Outra da Superinteressante. O nome parece uma crítica à Copa, mas não é. É uma análise de como o futebol, principalmente em competições de tiro curto, gera resultados imprevisíveis onde nem sempre o melhor ganha.

Obs.: A Superinteressante tem limite de conteúdos pagos por mês.

Anúncios

Atletas de hoje são melhores que ontem?

Recentemente postei um vídeo com argumentos contra as principais críticas que desmerecem Pelé. E uma das principais é essa: o futebol de hoje é melhor que ontem. Se a questão qualidade pode ser debatida, é inegável que se corre mais em um jogo dos dias de hoje.

E nesse vídeo, o pesquisador David Epstein mostra por que isso acontece nos esportes em geral: hiperespecialização, mudança nos treinamentos, melhorias tecnológicas e, claro, mentalidade. Como Epstein mostra comparando a corrida de Jesse Owens em 1936 e a de Usain Bolt em 2012, essa melhoria, todavia, continua não sendo parâmetro para falar que atletas de hoje são melhores. Eles simplesmente fazem parte do contexto do seu tempo.

Comentário sobre hiperespecialização e futebol: ao vermos um baixinho como Kanté jogando muito e sendo campeão do mundo, parece que a regra dos biotipos ideais não se aplica ao futebol, mas não é verdade. O futebol é um esporte multifuncional e o biotipo de Kanté, embora não seja o ideal, o permite ser um atleta de elite na posição que ele joga. Porém, dificilmente o francês, com aquela estatura, seria goleiro ou zagueiro, posições em que a média de altura cresceu nas últimas décadas.

Fala Muito, versão Copa 2018

A recomendação do dia é o ótimo quadro “Fala Muito”, apresentado por Lucas Gutierrez, e escrito pelo próprio em parceria com Rafael Noronha. São vídeo-crônicas sobre diversos temas da Copa, como a importância do evento (episódio 1), a relação entre Copa e Inglaterra (ep. 9) e a relação entre Copa e Brasil, claro (ep. 12).

Esses citados eu estou incorporando logo abaixo, mas clique aqui para playlist completa.

O machismo na Copa do Mundo

reporter-do-ge-na-copa

Repórteres do GE contam como é o dia a dia em meio a um ambiente hostil para mulheres

Em uma Copa onde tivemos a primeira narração por uma mulher na TV brasileira e a volta aos estádios das mulheres iranianas, é bom ter o pé no chão e ver que há um machismo ainda muito entranhado no futebol.

As repórteres Amanda Kestelman e Júlia Guimarães, por exemplo, são exceção nessa Copa do Mundo: mulheres cobrindo o evento. E depois do capítulo lamentável de assédio a uma russa por torcedores brasileiros, elas escreveram juntas um ótimo artigo onde expõem toda a cultura machista que têm que enfrentar de torcedores vindo de todas as partes do mundo. Recomendo demais a leitura, pois tomar conhecimento do problema é sempre um passo na direção de superá-lo.

Clique aqui para ler o artigo.

História dos Números

numeros

Há muito tempo atrás, eu fiz este artigo falando um pouco sobre a história dos sistemas de numeração. Hoje, como leitura complementar para quem quer se aprofundar no assunto, eu recomendo os seguintes artigos (infelizmente, em inglês), do ótimo site Squad Numbers:

A evolução dos esquemas táticos

Segue como recomendação esse vídeo excelente do Nexo, explicando a evolução dos principais esquemas táticos. Essa evolução mostra, indiretamente, a evolução da tradição de determinados números serem de uma posição específica em diferentes lugares (como a camisa 4 parou no meio de campo na Inglaterra, por exemplo). Me fez lembrar do post que fiz há bastante sobre numeração. Clique aqui para lembrar dele também.

Agradecimento a Higor Franco, editor do Torcida ES, pela dica.