Troféus nos Jogos Olímpicos

especial-premiacao-1

Mais: os primeiros troféus mundiais do futebol

Os Jogos Olímpicos de 1900 em Paris são famosos pela excentricidade em vários aspectos (e a maioria negativa). Uma delas é que cada esporte premiava os participantes da forma como bem entendesse.

Alguns tiveram medalhas para primeiro, segundo e terceiro lugar, outros medalhas só para primeiro e segundo, mas a maioria premiou mesmo com troféus (e ainda houve os esportes mistos: troféu para o primeiro, medalha para o segundo).

Pois bem, os Jogos de 1900 são os únicos em que alguns atletas saíram da competição com um troféu e sem medalha, mas não são os únicos que presentearam os atletas com troféus. E no futebol, isso ocorreu ao menos três vezes, conforme você vê na sequência.


Obs.: artigos desta série serão bem visuais. Clique nas imagens nos mosaicos para ampliar as imagens.


Primórdios: protocolos em construção e pouca documentação

No início do movimento olímpico, quando os protocolos que hoje parecem eternos ainda não estavam acimentados, muitos comitês organizadores optaram por presentear atletas com algo a mais que a medalha.

Estamos falando de um período de registros escassos, daí eu ter dito que o campeão olímpico de futebol saiu do torneio com um troféu em ao menos três oportunidades: são as que encontrei registros, mas pode ser que tenha havido mais (inclusive, é até provável).

Medalhas nas caixas, imagens da cerimônia de premiação, dos (gigantes) ramos de oliveira ou louros e da caixa do diploma. Na parte de baixo, uma das taças e o vaso entregue ao primeiro campeão da maratona.

Para começar, esqueça basicamente tudo que você conhece da premiação atual. Em Atenas 1896, primeiros jogos modernos, as medalhas eram entregues em caixas junto a diploma, um grande ramo não era coroa de oliveira (campeão) ou louros (vice), sem pódio: todos os premiados iam até o rei receber o prêmio no dia do encerramento.

E já naquela edição, pintaram os primeiros troféus especiais, que acompanharam a medalha em alguns eventos, com destaque para duas taças e um vaso entregues para o primeiro campeão da maratona, o grego Spyridon Louis.


1900: muitos troféus, mas nada de premiação no futebol

Troféus dos Jogos Olímpicos de Paris 1900 para eventos em remo, golfe, vela, polo e salto em altura, com as medalhas usadas só em alguns esportes (e em quantidades variadas) na última imagem. Alguns fogem bem do padrão atual de premiação e estão mais para obra de arte decorativa, como a escultura feminina acima que foi apresentada para os velejadores campeões. 

Curiosamente, os confusos Jogos de 1900 não foram uma dessas vezes em que teve troféu para o futebol. Não que tenha havido medalha para o time vencedor, simplesmente não há registro de premiação alguma no futebol. Aliás, vale reforçar uma recomendação de leitura que já fizemos aqui antes, sobre o mambembe torneio de futebol nos Jogos de 1900.

Upton Park: 90 minutos para um título olímpico sem ouro em Paris-1900 (Trivela)

E não custa repetir: os Jogos de 1900 são os únicos que apresentaram apenas troféu para atletas de diversos esportes, sem medalha. Nos Jogos Olímpicos de 1904, assim como em 1896, alguns esportes deram troféu junto com a medalha.

Exemplo de troféu de 1904 no golfe, acompanhado das medalhas. Na sequência, detalhe das curiosas medalhas em broche: frente e verso do golfe (design exclusivo) e frente e verso dos demais esportes.

No torneio de futebol, embora ele tenha sido entre clubes e por anos tenha sido considerado como “de demonstração”, há registro da entrega de medalhas. Hoje o COI já o reconhece como oficial (assim como o de 1900).


Os três troféus do futebol

Nos Jogos Olímpicos de 1908, foram apresentados vários troféus que deveriam ser de posse provisória do atual campeão olímpico, chamados de “Challenge Prizes”. Um deles era aquele que talvez tenha sido o primeiro troféu mundial de futebol, que você confere abaixo.

Na ordem, os troféus "Challenge" da maratona, de salto em altura e do futebol, aquele que poderia ser o primeiro troféu verdadeiramente mundial do esporte. Todos tinham um patrono. O da maratona, por exemplo, foi o então rei grego; o do futebol foi a própria FA (federação inglesa).

Aqui começam as lacunas. Não se sabe se o troféu seguiu sendo concedido após 1908, embora algumas fontes listem sua entrega até 1920 (em 1923, todos os troféus “challenge” seriam descontinuados pelo COI). Coincidentemente, as medalhas do futebol nesse mesmo período guardam outra curiosidade que veremos na próxima parte desta série.

Mas também em 1920, temos a aparição de um novo troféu para os campeões: uma urna confeccionada pelo escultor Henry Fugère, com um mote olímpico na frente e uma cena da modalidade em questão no verso. Entre as modalidades contempladas, estava o futebol (para ficar em outros exemplos encontrados, temos também halterofilismo e ciclismo).

Suposta taça olímpica de futebol dos Jogos de 1920 na Antuérpia.

Uma urna muito semelhante à de 1920 volta a aparecer em 1928. A diferença é que temos cenas de futebol de ambos os lados dessa (um dos lados pode ser visto como um goleiro jogando ou uma cena de futebol rugby). Conforme inscrição na base, ela foi presenteada para o capitão da equipe vencedora, o uruguaio José Nasazzi, o mesmo que levantaria a Copa do Mundo de 1930.

Suposta taça olímpica de futebol dos Jogos de 1928 em Amsterdã. Dedicatória na placa da base ao capitão uruguaio, José Nasazzi. Seria essa a antecessora oficial da Taça Jules Rimet?

Depois de 1928, não há mais registros de troféus no futebol olímpico. Mas fica aí a última incógnita: se havia troféus tão semelhantes em 1920 e 1928, será que também havia em 1924? Não achei nada a respeito. O que tem em casas de leilão por aí como objetos além da medalha são uma caixa banhada em prata onde as medalhas teriam sido entregues aos uruguaios e também um vaso de porcelana, entregues a vencedores em vários eventos como um extra da medalha (assim como em 1896 foi o ramo de louro e em 2020/21 foi um um buquê com um mascote de pelúcia).

A foto da premiação em 1924 é para mostrar que a caixa é algo bem plausível para o contexto da época, pois de 1896 até 1928 – à exceção de 1900 e 1904 em que os Jogos foram espaçados por meses e nem tiveram cerimônias próprias de abertura e encerramento (as que tiveram, foram as das respectivas Feiras Mundiais), a premiação de TODOS os medalhistas era feita sem pódio na cerimônia de encerramento, logo uma caixa de medalhas para equipes agilizaria bem o processo. Na sequência, frente e topo com imagem artística da caixa em questão. Depois, os quatro lados do vaso dado ao Uruguai: todos os vasos tinham quatro esportes diferentes nas suas faces (aqui remo, futebol, rugby e salto ornamental), sendo um deles o do seu esporte. Obs.: a medalha junto ao vaso é a de participação, não a de premiação.

Em outros esportes

1936_golf_trophy_hitlerO troféu do golfe de Berlim 1936. Rodeado de mitos e apelidado de Taça Hitler, além de ser um dos últimos troféus em Jogos Olímpicos.

Conforme dito, a prática de troféus olímpicos foi comum também em outros esportes no começo da história dos jogos, e também já estava em decadência quando o último é apresentado no futebol. Mas a prática ainda vai um pouco mais longe, chegando até o infame “Troféu Hitler” no golfe em 1936. Depois da Segunda Guerra Mundial, não há qualquer registro de troféus nos jogos.


Este artigo é parte de uma série especial sobre premiações.

Confira outras partes da série abaixo.


AVISO: dados de casas de leilão e possibilidade de falsificação

Como em outros casos de itens antigos, infelizmente muito da referência de imagens vem de casas de leilão. E, mesmo nas mais respeitadas, devemos sempre considerar a possibilidade de fraude.