Cala a boca, Galvão – a transmissão sem narração

Não, não se preocupe. Não é mais um post falando sobre a já antiga campanha viral no Twitter (é, aconteceu há um ano, na internet é como se fosse um século). Sequer é específico para o Galvão, mas sim voltada a todos os narradores e comentaristas de futebol.

Afinal, quem nunca teve raiva daquele narrador desligado, que nem viu que o juiz não deu tiro de meta, mas sim impedimento? E quem nunca sentiu aquela dor no ego a um comentarista passar de entendido falando aquele absurdo para confirmar que o juiz marcou tiro de meta.

Em 2008, surgiu uma ideia de experiência quando assistia às Olimpíadas. A cobertura do Terra era fantástica, com mais de 30 canais transmitindo todos os eventos. Então, fora os mais populares, a maioria não tinha nem narrador nem comentarista, e você ficava com o som ambiente do estádio e os caracteres (termo jornalístico para as informações escritas na tela, como nome, estatística e placar). Pensei comigo mesmo: deve valer a pena fazer isso no futebol.

Quem precisa do Arnaldo para dizer que o Tevez estava impedido?

Ontem, por acidente, isso ocorreu, quando o Globo Esporte transmitiu pela internet o jogo do Brasil Sub-17 com áudio ambiente. E digo que valeu o acidente. E claro que o narrador é bom, principalmente assistindo o jogo sozinho, mas para conversar com os amigos, acho que vale a opção de poder cortá-lo na nova tecnologia de transmissão digital.

Se os caracteres fossem aprimorados para serem mais informativos (como “o treinador chamou o jogador A para conversar”), imagine a experiência: você, com as imagens de TV (com direito a replay, tira-teima e tudo), o áudio da torcida, ouvindo os gritos em campo e, o melhor, podendo tirar suas próprias conclusões sozinho.

Aparece na tela “o juiz anulou o gol porque marcou impedimento”, passa o replay, depois por outro ângulo, o tira-teima. Mas a conclusão se o “professor” acertou ou não seria sua. Se algum canal me oferecesse isso, eu assinaria.

2 Respostas to “Cala a boca, Galvão – a transmissão sem narração”

  1. Cultura Futebol Clube Says:

    Detalhe para quem é observador: o tira-teima do lance do Tevez está errado. Como o goleiro está fora do gol, a linha de impedimento é no penúltimo beque. Ou seja, ele ainda estava uns centímetros mais impedido.

  2. Anderson Says:

    Bom Comentário, mas acho que o narrador faz falta quando não se pode estar vendo o jogo o tempo todo, para chamar a atenção para um determinado lance, por exemplo… Faz falta sim… Nem que seja para xingar quando ele falar besteira… Rsrsrsrsrs… E, à propósito, hoje passaram o jogo da Sub-17 contra o Equador sem narração novamente… Que chato isso! Tomara que os próximos tenham narração… Abraços!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: