Projeto Estádios do Brasil em 2014 – MA, AM, PA e TO

Paramos no Maranhão para uma última escala no Nordeste e o Cultura já vai direto para os estados do norte. Veja como os principais estádios da região estão se programando para o ano de 2014.

Maranhão

São Luís conta com o maior estádio atualmente do Nordeste. Porém, assim como o Albertão (Teresina PI) e o Almeidão (João Pessoa PB), o Castelão não pode ser utilizado atualmente – não confundir com o xará de Fortaleza. Para ser subsede, o Maranhão faz obras estruturais em seu estádio, que se adequando ao Estatuto do Torcedor já atenderá bem a sua demanda.

 

– Castelão

Onde? São Luís

Recorde de público: 97.720 (Sampaio Corrêa 1 x 5 Santos, 1998)

Capacidade atual: 75.200

Capacidade após a reforma: ? (não há confirmação, mas a capacidade deve ser um pouco reduzida para se adequar ao Estatuto do Torcedor)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Alta (assim como o Albertão, em Teresina, as reformas estão em andamento e são estruturais, então a pergunta maior é “quando fica pronto”)

 

Outros estádios

– Nhozinho Santos (São Luís): segundo maior estádio de São Luís, atende bem a essa função com sua capacidade de 16.500.

– Abadião (Imperatriz): importante cidade do interior, teve seu estádio ampliado em 2009 para 12.000 pessoas.

– Correão (Bacabal): principal estádio da região central do Maranhão, tem capacidade para quase 8.000 torcedores.

 

Amazonas

Manaus é uma cidade grande no meio da selva. E, embora muitos desconfiassem da sua capacidade de organizar o mundial, foi escolhida sede de 2014 e as obras do seu estádio estão em dia, além de pular projetos de campos auxiliares (necessários, pois com a demolição do Vivaldão o América teve que mandar suas partidas finais da Série D de 2010 em outros estados). O problema de lá é outro: como não deixar o novo Vivaldão virar um elefante branco no meio das florestas brasileiras.

 

– Vivaldão, futura Arena Amazônia (estádio da Copa)

Onde? Manaus

Recorde de público: 56.950 (Fast 0 x 0 Cosmos, 1980)

Capacidade antes da demolição: 31.000

Capacidade após a reforma: 47.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Alta (obras em andamento)

 

Outros estádios

– Colina (Manaus): com capacidade de 11.000 torcedores, passou por reformas emergenciais no ano passado e pode dar lugar a um novo estádio para receber treinos na Copa.

– Sesi (Manaus): com capacidade de até 10.000 torcedores, também pode ser reformado para a Copa.

– Coarizão (Coari): maior do interior, tem capacidade para 8.000 pessoas.

– Chicão (Rio Preto da Eva, RM Manaus): localizado perto de Manaus, comporta até 8.000 torcedores.

– Tupizão (Parintins): embora seja uma cidade conhecida do interior do estado, seu estádio é pequeno (4.000).

 

Pará

Outra candidata forte do Norte para a Copa, o Pará tem torcidas apaixonadas e já conta com um estádio ótimo, o Mangueirão (tanto que o projeto para a Copa não previa grandes intervenções). Ficou de fora, mas tem gente por lá de olho na vaga de Natal para ser sede. Os outros campos, entretanto, não estão à altura.

 

– Mangueirão

Onde? Belém

Recorde de público: 65.000 (Remo 1 x 0 Paysandu, 1999)

Capacidade antes da demolição: 45.000

Capacidade após a reforma: 45.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Média-baixa (as obras para a Coapa, que já seriam poucas, talvez saiam na expectativa de pegar a vaga de Natal na Copa)

 

O projeto do Mangueirão não envolvia sua fachada, que já é bacana.

 

Outros estádios

– Curuzu (Belém): estádio do Paysandu, tem capacidade para 14.000 torcedores, usado nos jogos contra times pequenos.

– Baenão (Belém): estádio do Reão, comporta até 17.000 torcedores e é usado nos jogos menores do clube.

– Souza (Belém): estádio da tradicional Tuna Luso, tem capacidade de apenas 5.000.

– Zinho de Oliveira (Marabá): uma das principais cidades do interior, seu estádio tem capacidade de apenas 4.000 pessoas. Em breve outro deve sair do papel, com capacidade para 20.000 (não achamos o projeto).

– Modelão (Castanhal): o estádio de Castanhal é um dos mais usados do interior, com capacidade para 10.000.

– Colosso do Tapajós (Santarém): único estádio com capacidade para jogos nacionais no oeste do estado, tem capacidade para quase 20.000 pessoas.

 

Tocantins

A mais nova cidade planejada do Brasil, Palmas está em obras constante e é uma das duas capitais que não tem mais de um estádio (considerando a região metropolitana das demais), e a única que não tem projeto a curto prazo de construí-lo (nem tem a necessidade ainda). Mas não pense que no Tocantins ninguém pensa em se modernizar. Veja o projeto de ampliação do Nilton Santos e algumas boas opções do interior.

 

– Nilton Santos

Onde? Palmas

Recorde de público: 11.000 (Palmas 0 x 7 Atlético Mineiro, 2008)

Capacidade atual: 12.000

Capacidade após a reforma: até 30.000 (após concluída sua última fase)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Baixa (este já é o projeto inicial do estádio, mas não há previsão de continuidade da sua próxima fase)

 

Outros estádios:

– Mirandão (Araguaína): maior estádio do interior, o Mirandão foi recém-inaugurado e tem capacidade para 10.000 torcedores.

– Resendão (Gurupi): embora pequeno (3.000 pessoas), o Resendão tem importância por ser onde o tradicional Gurupi manda seus jogos.

– Ribeirão (Tocantinópolis): o estádio de Tocantinópolis tem capacidade estimada em 8.000 pessoas – é um terço da população do município.

 

Paramos no Maranhão para uma última escala no Nordeste e o Cultura já vai direto para os estados do norte. Veja como os principais estados da região estão se programando para o ano de 2014.

 

Maranhão

São Luís conta com o maior estádio atualmente do Nordeste. Porém, assim como o Albertão (Teresina PI) e o Almeidão (João Pessoa PB), o Castelão não pode ser utilizado atualmente – não confundir com o xará de Fortaleza. Para ser subsede, o Maranhão faz obras estruturais em seu estádio, que se adequando ao Estatuto do Torcedor já atenderá bem a sua demanda.

 

– Castelão

Onde? São Luís

Recorde de público: 97.720 (Sampaio Corrêa 1 x 5 Santos, 1998)

Capacidade atual: 75.200

Capacidade após a reforma: ? (não há confirmação, mas a capacidade deve ser um pouco reduzida para se adequar ao Estatuto do Torcedor)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Alta (assim como o Albertão, em Teresina, as reformas estão em andamento e são estruturais, então a pergunta maior é “quando fica pronto”)

 

Outros estádios

– Nhozinho Santos (São Luís): segundo maior estádio de São Luís, atende bem a essa função com sua capacidade de 16.500.

– Abadião (Imperatriz): importante cidade do interior, teve seu estádio ampliado em 2009 para 12.000 pessoas.

– Correão (Bacabal): principal estádio da região central do Maranhão, tem capacidade para quase 8.000 torcedores.

 

Amazonas

Manaus é uma cidade grande no meio da selva. E, embora muitos desconfiassem da sua capacidade de organizar o mundial, foi escolhida sede de 2014 e as obras do seu estádio estão em dia (além de pular projetos de campos auxiliares). O problema de lá é outro: como não deixar o novo Vivaldão virar um elefante branco no meio das florestas brasileiras.

 

– Vivaldão, futura Arena Amazônia (estádio da Copa)

Onde? Manaus

Recorde de público: 56.950 (Fast 0 x 0 Cosmos, 1980)

Capacidade antes da demolição: 31.000

Capacidade após a reforma: 47.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Alta (obras em andamento)

 

Outros estádios

– Colina (Manaus): com capacidade de 11.000 torcedores, passou por reformas emergenciais no ano passado e pode dar lugar a um novo estádio para receber treinos na Copa.

– Sesi (Manaus): com capacidade de até 10.000 torcedores, também pode ser reformado para a Copa.

– Coarizão (Coari): maior do interior, tem capacidade para 8.000 pessoas.

– Chicão (Rio Preto da Eva, RM Manaus): localizado perto de Manaus, comporta até 8.000 torcedores.

– Tupy Cantanhede (Parintins): embora seja uma cidade conhecida do interior do estado, seu estádio é pequeno (4.000).

 

Pará

Outra candidata forte do Norte para a Copa, o Pará tem torcidas apaixonadas e já conta com um estádio ótimo, o Mangueirão (tanto que o projeto para a Copa não previa grandes intervenções). Ficou de fora, mas tem gente por lá de olho na vaga de Natal para ser sede. Os outros campos, entretanto, não estão à altura.

 

– Mangueirão

Onde? Belém

Recorde de público: 65.000 (Remo 1 x 0 Paysandu, 1999)

Capacidade antes da demolição: 45.000

Capacidade após a reforma: 45.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Média (as obras para a Coapa, que já seriam poucas, mas talvez saiam na expectativa de pegar a vaga de Natal na Copa)

 

Outros estádios

– Curuzu (Belém): estádio do Paysandu, tem capacidade para 14.000 torcedores, usado nos jogos contra times pequenos.

– Baenão (Belém): estádio do Reão, comporta até 17.000 torcedores e é usado nos jogos menores do clube.

– Souza (Belém): estádio da tradicional Tuna Luso, tem capacidade de apenas 5.000.

– Zinho de Oliveira (Marabá): uma das principais cidades do interior, seu estádio tem capacidade de apenas 4.000 pessoas. Em breve outro deve sair do papel, com capacidade para 20.000 (não achamos o projeto).

– Modelão (Castanhal): o estádio de Castanhal é um dos mais usados do interior, com capacidade para 10.000.

– Colosso do Tapajós (Santarém): único estádio com capacidade para jogos nacionais no oeste do estado, tem capacidade para quase 20.000 pessoas.

 

Tocantins

A mais nova cidade planejada do Brasil, Palmas está em obras constante e é uma das duas capitais que não tem mais de um estádio (considerando a região metropolitana das demais), e a única que não tem projeto a curto prazo de construí-lo (nem tem a necessidade ainda). Mas não pense que no Tocantins ninguém pensa em se modernizar. Veja o projeto de ampliação do Nilton Santos e algumas boas opções do interior.

 

– Nilton Santos

Onde? Palmas

Recorde de público: 11.000 (Palmas 0 x 7 Atlético Mineiro, 2008)

Capacidade atual: 12.000

Capacidade após a reforma: até 30.000 (após concluída sua última fase)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Baixa (este já é o projeto inicial do estádio, mas não há previsão de continuidade da sua próxima fase)

 

Outros estádios:

– Mirandão (Araguaína): maior estádio do interior, o Mirandão foi recém-inaugurado e tem capacidade para 10.000 torcedores.

– Resendão (Gurupi): embora pequeno (3.000 pessoas), o Resendão tem importância por ser onde o tradicional Gurupi manda seus jogos.

– Ribeirão (Tocantinópolis): o estádio de Tocantinópolis tem capacidade estimada em 8.000 pessoas – é um terço da população do município.

Uma resposta to “Projeto Estádios do Brasil em 2014 – MA, AM, PA e TO”

  1. Anderson Says:

    O MELHOR E MAIS BONITO DE TODOS ESSES ESTÁDIO É O MANGUEIRÃO.
    FOI UMA TREMENDA SACANAGEM (OU DINHEIRO DAS EMPRESAS DA ZONA FRANCA DE MANAUS)O MANGUEIRÃO FICAR DE FORA DA COPA.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: