Projeto Estádios do Brasil em 2014 – MA, AM, PA e TO

Paramos no Maranhão para uma última escala no Nordeste e o Cultura já vai direto para os estados do norte. Veja como os principais estádios da região estão se programando para o ano de 2014.

Maranhão

São Luís conta com o maior estádio atualmente do Nordeste. Porém, assim como o Albertão (Teresina PI) e o Almeidão (João Pessoa PB), o Castelão não pode ser utilizado atualmente – não confundir com o xará de Fortaleza. Para ser subsede, o Maranhão faz obras estruturais em seu estádio, que se adequando ao Estatuto do Torcedor já atenderá bem a sua demanda.

 

– Castelão

Onde? São Luís

Recorde de público: 97.720 (Sampaio Corrêa 1 x 5 Santos, 1998)

Capacidade atual: 75.200

Capacidade após a reforma: ? (não há confirmação, mas a capacidade deve ser um pouco reduzida para se adequar ao Estatuto do Torcedor)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Alta (assim como o Albertão, em Teresina, as reformas estão em andamento e são estruturais, então a pergunta maior é “quando fica pronto”)

 

Outros estádios

– Nhozinho Santos (São Luís): segundo maior estádio de São Luís, atende bem a essa função com sua capacidade de 16.500.

– Abadião (Imperatriz): importante cidade do interior, teve seu estádio ampliado em 2009 para 12.000 pessoas.

– Correão (Bacabal): principal estádio da região central do Maranhão, tem capacidade para quase 8.000 torcedores.

 

Amazonas

Manaus é uma cidade grande no meio da selva. E, embora muitos desconfiassem da sua capacidade de organizar o mundial, foi escolhida sede de 2014 e as obras do seu estádio estão em dia, além de pular projetos de campos auxiliares (necessários, pois com a demolição do Vivaldão o América teve que mandar suas partidas finais da Série D de 2010 em outros estados). O problema de lá é outro: como não deixar o novo Vivaldão virar um elefante branco no meio das florestas brasileiras.

 

– Vivaldão, futura Arena Amazônia (estádio da Copa)

Onde? Manaus

Recorde de público: 56.950 (Fast 0 x 0 Cosmos, 1980)

Capacidade antes da demolição: 31.000

Capacidade após a reforma: 47.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Alta (obras em andamento)

 

Outros estádios

– Colina (Manaus): com capacidade de 11.000 torcedores, passou por reformas emergenciais no ano passado e pode dar lugar a um novo estádio para receber treinos na Copa.

– Sesi (Manaus): com capacidade de até 10.000 torcedores, também pode ser reformado para a Copa.

– Coarizão (Coari): maior do interior, tem capacidade para 8.000 pessoas.

– Chicão (Rio Preto da Eva, RM Manaus): localizado perto de Manaus, comporta até 8.000 torcedores.

– Tupizão (Parintins): embora seja uma cidade conhecida do interior do estado, seu estádio é pequeno (4.000).

 

Pará

Outra candidata forte do Norte para a Copa, o Pará tem torcidas apaixonadas e já conta com um estádio ótimo, o Mangueirão (tanto que o projeto para a Copa não previa grandes intervenções). Ficou de fora, mas tem gente por lá de olho na vaga de Natal para ser sede. Os outros campos, entretanto, não estão à altura.

 

– Mangueirão

Onde? Belém

Recorde de público: 65.000 (Remo 1 x 0 Paysandu, 1999)

Capacidade antes da demolição: 45.000

Capacidade após a reforma: 45.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Média-baixa (as obras para a Coapa, que já seriam poucas, talvez saiam na expectativa de pegar a vaga de Natal na Copa)

 

O projeto do Mangueirão não envolvia sua fachada, que já é bacana.

 

Outros estádios

– Curuzu (Belém): estádio do Paysandu, tem capacidade para 14.000 torcedores, usado nos jogos contra times pequenos.

– Baenão (Belém): estádio do Reão, comporta até 17.000 torcedores e é usado nos jogos menores do clube.

– Souza (Belém): estádio da tradicional Tuna Luso, tem capacidade de apenas 5.000.

– Zinho de Oliveira (Marabá): uma das principais cidades do interior, seu estádio tem capacidade de apenas 4.000 pessoas. Em breve outro deve sair do papel, com capacidade para 20.000 (não achamos o projeto).

– Modelão (Castanhal): o estádio de Castanhal é um dos mais usados do interior, com capacidade para 10.000.

– Colosso do Tapajós (Santarém): único estádio com capacidade para jogos nacionais no oeste do estado, tem capacidade para quase 20.000 pessoas.

 

Tocantins

A mais nova cidade planejada do Brasil, Palmas está em obras constante e é uma das duas capitais que não tem mais de um estádio (considerando a região metropolitana das demais), e a única que não tem projeto a curto prazo de construí-lo (nem tem a necessidade ainda). Mas não pense que no Tocantins ninguém pensa em se modernizar. Veja o projeto de ampliação do Nilton Santos e algumas boas opções do interior.

 

– Nilton Santos

Onde? Palmas

Recorde de público: 11.000 (Palmas 0 x 7 Atlético Mineiro, 2008)

Capacidade atual: 12.000

Capacidade após a reforma: até 30.000 (após concluída sua última fase)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Baixa (este já é o projeto inicial do estádio, mas não há previsão de continuidade da sua próxima fase)

 

Outros estádios:

– Mirandão (Araguaína): maior estádio do interior, o Mirandão foi recém-inaugurado e tem capacidade para 10.000 torcedores.

– Resendão (Gurupi): embora pequeno (3.000 pessoas), o Resendão tem importância por ser onde o tradicional Gurupi manda seus jogos.

– Ribeirão (Tocantinópolis): o estádio de Tocantinópolis tem capacidade estimada em 8.000 pessoas – é um terço da população do município.

 

Paramos no Maranhão para uma última escala no Nordeste e o Cultura já vai direto para os estados do norte. Veja como os principais estados da região estão se programando para o ano de 2014.

 

Maranhão

São Luís conta com o maior estádio atualmente do Nordeste. Porém, assim como o Albertão (Teresina PI) e o Almeidão (João Pessoa PB), o Castelão não pode ser utilizado atualmente – não confundir com o xará de Fortaleza. Para ser subsede, o Maranhão faz obras estruturais em seu estádio, que se adequando ao Estatuto do Torcedor já atenderá bem a sua demanda.

 

– Castelão

Onde? São Luís

Recorde de público: 97.720 (Sampaio Corrêa 1 x 5 Santos, 1998)

Capacidade atual: 75.200

Capacidade após a reforma: ? (não há confirmação, mas a capacidade deve ser um pouco reduzida para se adequar ao Estatuto do Torcedor)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Alta (assim como o Albertão, em Teresina, as reformas estão em andamento e são estruturais, então a pergunta maior é “quando fica pronto”)

 

Outros estádios

– Nhozinho Santos (São Luís): segundo maior estádio de São Luís, atende bem a essa função com sua capacidade de 16.500.

– Abadião (Imperatriz): importante cidade do interior, teve seu estádio ampliado em 2009 para 12.000 pessoas.

– Correão (Bacabal): principal estádio da região central do Maranhão, tem capacidade para quase 8.000 torcedores.

 

Amazonas

Manaus é uma cidade grande no meio da selva. E, embora muitos desconfiassem da sua capacidade de organizar o mundial, foi escolhida sede de 2014 e as obras do seu estádio estão em dia (além de pular projetos de campos auxiliares). O problema de lá é outro: como não deixar o novo Vivaldão virar um elefante branco no meio das florestas brasileiras.

 

– Vivaldão, futura Arena Amazônia (estádio da Copa)

Onde? Manaus

Recorde de público: 56.950 (Fast 0 x 0 Cosmos, 1980)

Capacidade antes da demolição: 31.000

Capacidade após a reforma: 47.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Alta (obras em andamento)

 

Outros estádios

– Colina (Manaus): com capacidade de 11.000 torcedores, passou por reformas emergenciais no ano passado e pode dar lugar a um novo estádio para receber treinos na Copa.

– Sesi (Manaus): com capacidade de até 10.000 torcedores, também pode ser reformado para a Copa.

– Coarizão (Coari): maior do interior, tem capacidade para 8.000 pessoas.

– Chicão (Rio Preto da Eva, RM Manaus): localizado perto de Manaus, comporta até 8.000 torcedores.

– Tupy Cantanhede (Parintins): embora seja uma cidade conhecida do interior do estado, seu estádio é pequeno (4.000).

 

Pará

Outra candidata forte do Norte para a Copa, o Pará tem torcidas apaixonadas e já conta com um estádio ótimo, o Mangueirão (tanto que o projeto para a Copa não previa grandes intervenções). Ficou de fora, mas tem gente por lá de olho na vaga de Natal para ser sede. Os outros campos, entretanto, não estão à altura.

 

– Mangueirão

Onde? Belém

Recorde de público: 65.000 (Remo 1 x 0 Paysandu, 1999)

Capacidade antes da demolição: 45.000

Capacidade após a reforma: 45.000

Categoria (após a reforma): Estádio de ponta

Possibilidade de sair do papel: Média (as obras para a Coapa, que já seriam poucas, mas talvez saiam na expectativa de pegar a vaga de Natal na Copa)

 

Outros estádios

– Curuzu (Belém): estádio do Paysandu, tem capacidade para 14.000 torcedores, usado nos jogos contra times pequenos.

– Baenão (Belém): estádio do Reão, comporta até 17.000 torcedores e é usado nos jogos menores do clube.

– Souza (Belém): estádio da tradicional Tuna Luso, tem capacidade de apenas 5.000.

– Zinho de Oliveira (Marabá): uma das principais cidades do interior, seu estádio tem capacidade de apenas 4.000 pessoas. Em breve outro deve sair do papel, com capacidade para 20.000 (não achamos o projeto).

– Modelão (Castanhal): o estádio de Castanhal é um dos mais usados do interior, com capacidade para 10.000.

– Colosso do Tapajós (Santarém): único estádio com capacidade para jogos nacionais no oeste do estado, tem capacidade para quase 20.000 pessoas.

 

Tocantins

A mais nova cidade planejada do Brasil, Palmas está em obras constante e é uma das duas capitais que não tem mais de um estádio (considerando a região metropolitana das demais), e a única que não tem projeto a curto prazo de construí-lo (nem tem a necessidade ainda). Mas não pense que no Tocantins ninguém pensa em se modernizar. Veja o projeto de ampliação do Nilton Santos e algumas boas opções do interior.

 

– Nilton Santos

Onde? Palmas

Recorde de público: 11.000 (Palmas 0 x 7 Atlético Mineiro, 2008)

Capacidade atual: 12.000

Capacidade após a reforma: até 30.000 (após concluída sua última fase)

Categoria (após a reforma): Atende as necessidades locais

Possibilidade de sair do papel: Média-Baixa (este já é o projeto inicial do estádio, mas não há previsão de continuidade da sua próxima fase)

 

Outros estádios:

– Mirandão (Araguaína): maior estádio do interior, o Mirandão foi recém-inaugurado e tem capacidade para 10.000 torcedores.

– Resendão (Gurupi): embora pequeno (3.000 pessoas), o Resendão tem importância por ser onde o tradicional Gurupi manda seus jogos.

– Ribeirão (Tocantinópolis): o estádio de Tocantinópolis tem capacidade estimada em 8.000 pessoas – é um terço da população do município.

Anúncios

Um comentário sobre “Projeto Estádios do Brasil em 2014 – MA, AM, PA e TO

  1. Anderson

    O MELHOR E MAIS BONITO DE TODOS ESSES ESTÁDIO É O MANGUEIRÃO.
    FOI UMA TREMENDA SACANAGEM (OU DINHEIRO DAS EMPRESAS DA ZONA FRANCA DE MANAUS)O MANGUEIRÃO FICAR DE FORA DA COPA.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s