Ídolos sem calçada 2

Mais uma homenagem a todos os peladeiros, os verdadeiros praticantes da cultura do futebol.

Em pé: desconhecido, Papa, Rossini, desconhecido, desconhecido e Ronaldo. Agachado: Renato, Roney e desconhecido.

Domingo, eu vou ao Godozão…

Quem é carioca, sabe: há alguma coisa no Rio de Janeiro que faz com que nos sintamos em casa. É o clima, a paisagem, o espírito da cidade. Mesmo para quem é um carioca-deportado, como eu. Mas naquela vez estava ainda mais à vontade, pois fazia uma caminhada pelo Cachambi – honroso e desconhecido bairro da Zona Norte, reduto da família Vogas desde que ela se mudou do interior fluminense para a capital – na companhia de meu pai, que viveu mais tempo na região do que eu tenho em toda a vida.

Após um período de caminhada mostrando como eram as coisas na época dele, fazemos a primeira parada em frente a um grande pátio de automóveis e surge o primeiro momento mais nostálgico: “era aqui que ficava o Godozão”. Impossível não reconhecer o nome que eu ouvi durante histórias em toda minha infãncia. Meu pai havia jogado em todo o Rio, foi do time da UFF, categorias de base do Botafogo, mas nenhum campo tinha mais histórias que o Godozão. Todo peladeiro tem dentro da sua mente o seu Maracanã, o campo em que ele joga em casa. No Cachambi, o Godozão era o templo do futebol.

Durante aquela breve parada, um resumo de todas as histórias que vieram a sua cabeça. O gol que salvou o time, o drible que derrubou a zaga adversária, a defesa milagrosa, até o saudoso seu Godô, vigia do estacionamento ao lado que devolvia as bolas extraviadas e recebeu homenagem no “batismo” do campo. Histórias que, para quem não olha atentamente, estão soterradas embaixo do concreto que hoje ocupa o local.

Voltamos à nossa caminhada. Mas ela não seria mais a mesma. A cada bar, a cada esquina, velhos amigos surgiam e com eles todo o respeito pelo craque daquelas peladas. Cada um se apressava a falar espontaneamente “seu pai jogava muito”, e havia sempre uma nova história, um novo campeonato, um novo drible dos tempos do glorioso Godozão. Aquele senhor de idade ao longe fez questão de se apresentar como o cara que promovia as peladas. Então, como se fosse o objeto que procurava seu dono, surge do nada a última relíquia sagrada para o meu pai. A então perdida para sempre foto do time, perfilado, naquele campo; nela, entre figuras mais distantes na memória, se destacavam: Rossini, Renato, Roney e, ele, Ronaldo. Ou também: Vogas, Vogas, Vogas e, ele, Vogas, todos irmãos.

O caminho da vida levou o peladeiro para outros campos. Virou craque como profissional, craque como pai. Mas são essas caminhadas que fazem o seu merecido troféu.

Epílogo

Alguns anos depois desse episódio, de volta ao Rio, uma reunião foi o bastante para o assunto ser outro time. Um que, pela distância dos jogadores, só se reuniu para um campeonato e saiu campeão invicto. Está lá no álbum: Bruno, Tiago, Henrique, Vitor e Gabriel. Ou também: Vogas, Vogas, Vogas, Vogas e Vogas, todos primos. Eu estava nesse. O Renan quis jogar no outro time, perdeu e é eterno motivo de chacota. Se tivemos ou não a mesma maestria dos craques do Godozão, não importa. O importante é que tivemos bons exemplos, e a nossa foto cheia de histórias já existe.

 

Em pé: Ronaldo (craque de duas gerações), Tiago e Gabriel. Agachados: Vitor, Henrique, Bruno e Lucena.

2 Respostas to “Ídolos sem calçada 2”

  1. Vitor Vogas Says:

    Exijo publicação de homenagem similar a minha pessoa.

  2. BRUNO VOGAS Says:

    MUITO MANEIRO GABRIEL!!! ACHO ATÉ QUE ESSE NOSSO TIME GANHA DO GODOZÃO DE LAVADA!!! ESTAMOS INVICTOS ATE HJ!!! RS…

    ABÇS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: